Ophelia

 

ophelia

 

Dell anuncia computador pendrive que funcionará em qualquer TV ou monitor com entrada HDMI. A capacidade do processador e memória ram ainda não foram divulgados, mas ele rodará o sistema operacional Android, terá wi-fi, bluetooth e começará a ser fabricado em julho. Estima-se que vá custar $ 100 dólares.

Legal vai ser se sua mãe formatar seu Ophelia achando que é pendrive para colocar as fotos da missa de domingo.. :P

 


Que Bruxaria é Essa?

 

 

{#moods_dlg.Shocking}

 


Consideração Rápida

 

Heiou!

Só vim lhes dar um rápido recado.

Quando criamos o blog, a ideia era a provocação (com entretenimento) e pra quem sabe o significado da palavra, deve entender o porquê do que escrevemos.

Com isso, eu quero agradecer aos poucos corajosos que deram a cara a tapa ao discutir questões relevantes. E quero dar um “sacolejo” (queria fazer pessoalmente em cada um!) naqueles que têm interesse nas discussões, mas não debatem por medo da opinião alheia ou por preguiça de ler textos com mais de 3 linhas (espero que este não seja o motivo ¬¬)!

É claro que todos têm esse direito… e é claro que vamos continuar escrevendo textos (longos ou não) para incentivar sua ousadia… afinal, nós todos somos os novos formadores de opinião.

Pensem nisso… ou não… ¬¬

Boa Noite.

\o

442320 1680x10501

 


Nem Tão Inocentes #2

 

Heiou!

Dando continuidade a série Nem Tão Inocentes, hoje é a vez da Prisão Perpétua.

 

 

As questões que envolvem a Prisão perpétua, geralmente, vêm acompanhadas das que envolvem a Pena de Morte, já comentada no post anterior. Assim, daremos vazão à outra possível lei que seja tão efetiva quanto a Pena de Morte, dependendo do ponto de vista.

Por exemplo, alguns podem considerar que a Prisão Perpétua é mais uma forma de pena de morte, pois ao se imaginar um indivíduo preso “eternamente” sem chances de recorrer à tão primada liberdade, seria equivalente à sua morte perante a sociedade. Afinal, nunca mais se ouviria falar dele até o dia em que sua carcaça fétida voltasse ao pó.

Para os que são a favor, é uma forma de punição justa. Neste caso, não é preciso recorrer à morte imediata do criminoso para fazê-lo pagar por seus atos. Além de que esse indivíduo possa, mediante trabalhos forçados, pagar à sociedade o dano que lhe causou, em caso de dano reparável (bens materiais ou financeiros). E para dano irreparável (privação total ou parcial da vida das vítimas), a prisão já seria sua punição. O que se torna questionável, ainda, é a forma como esses trabalhos forçados seriam feitos, já que condenado à prisão perpétua, o indivíduo pode se negar a fazer qualquer tipo de trabalho.

Para os que são contra, é uma forma de punição à sociedade, pois estaria bancando com as despesas “eternas” de um FDP. Enquanto sua família recebe uma boa ajuda financeira do Governo, o resto dos cidadãos arcaria com a permanência dele no presídio. O gasto que o Estado teria com ele é a questão que mais incomoda (já pensou se criassem um novo imposto para justificar essa pena?). Imagine agora ter que manter milhares de vagabundos e suas famílias (qualquer semelhança com a Bolsa Família é mera coincidência ¬¬). Por isso, muitos são a favor da Pena de Morte. O criminoso não estaria gerando despesa à sociedade e não “teria” chance de fuga.

Para tentar amenizar as controvérsias dos dois lados, há uma alternativa, que de certo modo, mescla as duas opiniões. Ao invés de Prisão Perpétua, o criminoso teria a chance de voltar à sociedade depois de muito trabalho e muitos anos de reclusão. “O quê?! Eu não quero que um FDP desses volte às ruas!” – você deve estar dizendo. E antes que comecem os xingamentos, me permitam explicar.

Imaginemos que a sentença dada pelo juiz ao desgraçado fosse de 30 anos de reclusão. Esta pena seria mantida fixa se, e somente se, ele trabalhasse. Porém, se ele recusasse, ela seria aumentada, NUNCA diminuída como acontece hoje por “bom comportamento”.

Resumindo, ele recebe a pena de (muitos) anos de reclusão e pode sair no tempo estipulado se concordar em realizar trabalhos voluntários. Se não o fizer, sua pena será aumentada, como se fosse um agravante não trabalhar em prol do país, como qualquer cidadão faz.  

E aí, o que acham dessa alternativa?

Para os que querem saber mais opiniões sobre o tema, clique aquiaqui e aqui

{#moods_dlg.TossingLaptop1}

 

E se esses criminosos fossem menores de idade?  Sobre Redução de Maioridade Penal, aguardem o Nem tão Inocentes #3.

 



Recicle a Arte #5

 

 

Skylines de grandes cidades reproduzidos em detalhes pelo artista italiano Franco Recchia usando placas e circuitos de computadores velhos.

Eu colocaria um desses em minha sala de certeza… :D